Habemus Harry!


Aconteceu ontem à tarde. Eu estava em uma fila interminável para entrar em uma casa lotérica e pagar o boleto do inglês quando peguei meu celular e entrei no facebook. O feed de notícias foi atualizado e ali havia uma informação que me deixou com o coração prestes a sair pela boca: Harry Potter e a criança amaldiçoada será publicado em formato de livro.

Minha emoção foi tão inexplicável que abandonei a fila sem pagar a conta e corri para a casa da minha avó. Afinal, não tem como ter um surto psicótico no meio da rua sem que todos te achem maluca. E, claro, pouquíssimas pessoas que conheço pessoalmente entenderiam e compartilhariam do mesmo sentimento.

Depois do susto e da gritaria inicial, parei para analisar com atenção: mas espera aí, eu nunca apoio as chamadas 'continuações'. Não quis um reencontro dos atores de Friends, minha série favorita, e, inicialmente, nem queria novos episódios de Fuller House, ainda mais sem Mary-Kate ou Ashley Olsen. Sempre repito meu mantra: Foi bom enquanto durou e durou enquanto foi bom. Até por medo de ir tudo por água abaixo. Mas tinha ali algo diferente.

Claro que você não me entenderá se ainda for daquelas pessoas que acham que Harry Potter é só um livro ou um filme. Se não divide comigo e tantas outras pessoas esse mundo infinitamente mágico e encantador é impossível compreender o porque de tanto entusiasmo.

Acontece que sempre que alguém me vê falando sobre Harry Potter, sou obrigada a responder a pergunta: Por que você é tão fã assim? O que tem de tão especial? E nem sempre eu consigo responder à altura. Mas penso agora que, com quase vinte e um anos de idade, me formando na faculdade e prestes a me tornar uma verdadeira adulta, Harry Potter nunca me abandonou.

Como muitas das minhas paixões da infância e adolescência, esta não sumiu aos poucos com o tempo, até se tornar motivo de vergonha e constrangimento. É também uma das poucas coisas que, tenho a total convicção, partilharei com meus filhos e netos, se um dia os tiver.

Temos muito a esperar pela frente e, ao contrário das outras coisas que prefiro deixar como estão, não tenho o menor preocupação, sei que será incrível. Tudo isso reforça nossa ideia: Temos Harry! Ele estará sempre aqui, para aqueles que precisam e merecem.  
0 Responses