Você deve ser um Weasley!





Eu não te conheço, não sei o seu nome e não sei onde você mora, mas você está aqui no Patrono e com isso eu posso concluir que você é louco por um suéter com a inicial do seu nome feito pela sra. Weasley. Relaxa... eu também sou.


Ganhando disparada no pódio de família mais querida da saga, a família Weasley é composta por nove membros carismáticos, sendo eles Arthur Weasley, o paizão (qual é exatamente a função de um patinho de borracha?), Molly Weasley, a mãezona (minha filha não, sua vadia!) e seus filhos ruivos de sarda Gui, Carlinhos, Percy, os gêmeos Jred e Forge (não, espera, Fred e Jorge), Rony e Gina. 



A família Weasley nem sempre era tão bem vista no mundo bruxo, pela sua quantidade de filhos, poder aquisitivo (cabelo ruivo, vestes de segunda mão, você deve ser um Weasley!) e até mesmo por simpatizar com os trouxas.


Mas vamos ao que interessa: quem é que não queria ser um Weasley? Todos nós sabemos que o refúgio de Harry foram os braços dessa família desde que os conheceu. Seus primeiros amigos e exemplos de união, cumplicidade e cuidado.


A família Weasley nos ensinou a lidar com os “vai-e-vens” da vida sempre de mãos dadas àqueles que amamos. Foi essa família que abriu as portas e protegeu com unhas e dentes o que sempre acreditaram ser verdadeiro.


A Toca, casa dos Weasleys, é uma boa representação de união. Nós sabemos que ela para em pé através de magia. Ok? Ok. Certo. E se baseássemos cada pedaço equilibrado como cada pessoa importante da nossa família e da nossa vida (afinal, como diz o título, sempre cabe mais um)? É isso, talvez: o que nos mantém em pé é aquilo que mais nos faz bem, assim como A Toca se sustenta através de magia.


A família Weasley também nos ensinou que, não importa quem você seja, seja gentil e lute pelo que acredita. Quando A Toca vira o refúgio seguro no início de Relíquias da Morte, vemos que as portas da casa estão abertas (sempre estiveram) àqueles que põem em prática o que é justo e verdadeiro.


Em Relíquias da Morte, um infeliz acontecimento põe à prova toda a água que temos no corpo. A morte de Fred desperta em nós, Weasleys por opção, o enfrentamento da perda, alicerçado na família unida.



E assim é a vida, os Weasleys nossos de cada dia nos estendem a mão e se propõem a ajudar.


Como Molly e Arthur, que seriam capazes de darem suas vidas;


como Gui, que vai pra longe, mas sempre sabe onde seu coração está;


como Carlinhos, que não abre mão de enfrentar os dragões diários;


como Percy, com organização, respeito e paciência (esse último talvez nem tanto);


como Fred e Jorge, com alegria, motivação e um sorriso no rosto;


como Rony, seguindo as aranhas ou as borboletas, não importa qual dessas venha;


e como Gina, mas a Gina do livro!


E que “Weasley é o nosso rei” seja uma marca e uma inspiração.


Obrigada, família Weasley. 

0 Responses