Daniel Radcliffe fala sobre desigualdade de gênero em entrevista


O The Daily Telegraph publicou em uma de suas colunas, RendezView, uma entrevista com o ator Daniel Radcliffe sobre desigualdade de gênero em Hollywood. Radcliffe se julga ingênuo por não ter acreditado que isso ainda acontece e ele não fazer nada a respeito.

É loucura. É definitivamente o momento para a nossa indústria a intensificar. Especialmente se nós queremos nos orgulharmos de ser uma indústria liberal e progressista (...)

Daniel ainda citou o mesmo escândalo que Emma Watson, que promove a campanha #HeForShe na ONU, tem utilizado para ilustrar parte do problema em Hollywood - quando houve um vazamento de informações de salários no filme Trapaça, dirigido por David O. Russell em 2013; na ocasião, foi constatado que mulheres ganhavam menos do que os homens.

E por favor me corrija se eu estiver errado - mas se eu tiver esse direito, eles tinham todos os garotos em um negócio e todas as garotas em outro negócio.

E ainda completa:

Isso para mim é chocante... Coisas assim são loucas e eu não sei se posso ajudar, mas penso "Quem? Quem está fazendo isso? Que cara é esse que fica sentado em um estúdio pensando "Vamos foder as garotas em troca de algum dinheiro"?"

O ator é otimista ao abordar o progresso nesta área, falando que o diálogo nos últimos anos tem sido mais aberto e frequente.

Eu sinto que estou começando a ver mudanças, particularmente no tipo de papéis para as mulheres.

Eu fiz um filme com Toni Collette (Imperium) e ela é foda neste filme, e é um puta papel incrível.

É muito legal e eu sinto que há uma riqueza de atrizes incríveis no mundo todo agora e temos que começar e escrever melhores peças para elas e pagá-las igualmente.

Pessoal, não devemos esquecer que falar sobre igualdade não é afirmar que mulheres, negros, homossexuais e outros devem apenas ser pagos e aceitar seu destino. Tudo isso é sobre colaboração e aprendizagem num mundo onde o preconceito opera. E ouvir aqueles que não têm seus pontos de vista respeitados é um sinal de progresso.

Leia a entrevista completa clicando aqui.
0 Responses