Matthew Lewis fala sobre carreira e personagens que interpretou


Recentemente, Matthew Lewis proporcionou uma sessão de fotos para a revista Interview, além de uma entrevista

Nesta entrevista, Matt, que interpretou uma série de papéis depois de seus dias como Longbottom, fez desde comédias românticas até dramas do crime. Ele explicou por telefone como chegou na decisão de atuar nessas áreas:
Alguns dos personagens mais interessantes são aqueles que não são os heróis, que não são estilo James Bond. Eu gosto desses mais interessantes, então eu nunca digo "não vou fazer isso" ou "não vou fazer aquilo", eu gosto mesmo de manter a minha mente aberta. Eu gosto daqueles tipos que as pessoas querem discutir algo que aconteceu em sua vida ou que impactou-os e afetou-os de alguma forma.
Ele continua:
Por outro lado, às vezes é bom fazer algo que é divertido, um filme onde as pessoas vão entrar e desligar por uma hora e meia. Eu acho que se você puder fazer uma dessas coisas, se puder contar uma história que afete as pessoas ou que elas se divirtam, está fazendo certo!
Matt Lewis conta ainda como ele assumiu o papel de Patrick em "Como Eu Era Antes de Você" e seu personagem mais escuro, Sean, no drama televisivo "Happy Valley":
Sobre Patrick foi bem diferente. No livro, Patrick é um pouco sacana. Ele é obviamente muito focado em si mesmo, é centrado em seus desejos e não vai dar espaço para os desejos, necessidades e potenciais de Louisa. Nós queríamos manter as características inerentes de Patrick no filme, mas queríamos torná-lo um pouco menos "preto no branco" e um pouco mais ambíguo quanto a decisão final dela. Queríamos ver mais motivos do porquê Louisa estava com Patrick por sete anos... Pode ser assustador deixar de repente sua vida para trás e dizer "eu estou indo para realizar o que sou capaz com meu potencial", nós quisemos transmitir esse sentimento.
Agora Sean, houve muito pouco nervosismo envolvido para os poucos meses de preparação para interpretá-lo. Eu só espero ter feito justiça ao personagem.
Em seguida, a ideia foi apenas entrar na mente de Sean. Sorte minha, Sally entende seus personagens muito bem, ela tem imagens vívidas de onde eles vêm, para onde vão, porque eles fazem o que fazem... Eu tive que tirar dela e achar a motivação de Sean, o que foi difícil, com certeza, mas tudo ajudou na tentativa de criar este personagem que é um jovem muito, muito perdido.
Você não o faz como o vilão, você interpreta somente o que está na página da vida dele. A vida Sean foi que ele se mudou muito de cidade para cidade, ninguém nunca deu a mínima para ele, ele tem um temperamento muito ruim e muitas vezes ele se arrepende disso. Ele bebe muito e não consegue lembrar das coisas, o que se torna uma grande frustração. Isso faz com que ele tenha raiva e quando você repara esse caminho de raiva, o resto começar a ficar no lugar.
Em um flash de volta aos seus 11 anos, Matt relatou o primeiro dia no set de filmagens de Harry Potter. Ele comentou sobre trabalhar com atores premiados, como Alan Rickman e Maggie Smith, mas particularmente recordando o medo que tinha de estar junto a Rik Mayall, que foi escalado como Pirraça, um papel que foi cortado na edição final. Ele também falou sobre como Harry Potter mudou a forma de como ele atuava e como ele se aproximou disso para agora assumir diferentes papéis.
Eu consigo me lembrar muito bem de quando tinha 11 anos de idade. Estávamos no Castelo de Alnwick e foi a cena com Madame Hooch em que temos a aula de voo na vassoura e Neville voa, mas dá de cara na parede...
Eles cuidaram muito de mim, eu tinha só uma semana de experiência voando nesse cabo de vassoura em torno desse belo castelo no norte da Inglaterra. Pensei: "se isso é o que minha carreira faz, se é por isso que vou ser pago para fazer e ganhar a vida, então esse é meu sonho"
Eu era um pouco desinformado pensando no calibre do pessoal com quem eu estava trabalhando, mas certamente a fama e habilidade deles tem um certo grau! Havia um monte de coisas que esse pessoal tinha feito e onde tinham estado e isso me fez ser um grande fã. Na época, eu era ridiculamente fã de Rik Mayall, que infelizmente faleceu faz um tempo. Por mais que o personagem dele tenha sido cortado nas edições finais por causa de problemas de tempo do filme, ele ainda foi excelente do mesmo jeito.
Eu sentei ao lado dele uma vez enquanto liamos o roteiro e fiquei completamente sem palavras. Ele realmente me colocou sob suas asas e começou a bater um papo comigo sobre os diferentes personagens por trás das câmeras, quem todo mundo era e o que eram seus trabalhos e depois assinou meu roteiro.  Foi um momento enorme estar nessa leitura com ele, rodeado por todas aquelas pessoas maravilhosas que eu via na televisão e depois descobrir o quanto elas eram amigáveis.
Ai a pior coisa que acontece, quando você tem uns 15, 16 anos, é que começa a perceber, como já disse, o tamanho do calibre das pessoas com quem trabalha e tudo que já fizeram. Você se torna muito mais consciente da habilidade, da profissão. Toda essa camaradagem que construiu ao longo dos anos, de repente, te leva a um momento de "ah Deus, tenho sido tão indiferente com essas pessoas, eles são, na verdade, todos incríveis e eu estou aqui apenas passando um tempo com eles", então você tem um medo totalmente novo que vem junto com essa consciência. Eu tinha 18 anos quando finalmente superei isso.
Olhando a partir dos filmes de Harry Potter e agora esperando ser reconhecido por outros papéis, Matt expressa a mesma ideia dos outros atores. Ele agradece eternamente a Harry Potter e foi um começo incrível, mas também quer romper os rótulos desse seu primeiro personagem e ganhar visualização por suas habilidades de atuação com outros trabalhos. Ele declarou:
Foi um momento emocionante e muito estranho ter participado por dez anos, mas eu estava pronto para o final quando fizemos o último filme. Depois de interpretar Neville por esse período, eu queria fazer coisas diferentes, encontrar novas pessoas, novos personagens e explorar novos caminhos. Eu não tinha nenhuma ideia do que eu estava fazendo.
Eu não estava ansioso para voltar rapidamente em um figurino para ser um bruxo de novo, eu estava interessado em qualquer coisa que surgisse, na verdade. Senti muito que eu estava começando de baixo novamente e que estar em Harry Potter não seria um artifício de ajuda. Eu teria que deixar toda essa história para trás para perder o rótulo de Neville Longbottom e provar que eu poderia fazer, aprender e entender outras coisas.
O artigo continua com Matt falando de sua infância e seu crescimento em Leeds, sua relação com seu irmão Anthony, esperando ansiosamente para trabalhar com seu irmão Chris, quase ser pisoteado até a morte por vacas nas gravações de "Como Eu Era Antes de Você" e muito mais! Ele pode ser lido completo aqui, acompanhado por uma sessão de fotos.
 
0 Responses