David Yates e David Baron falam sobre sua produção mais recente, Tarzan.



O diretor e o produtor de Harry Potter e Animais Fantásticos, David Yates e David Baron, deram uma entrevista sobre a trabalho mais recente deles, "A Lenda de Tarzan", também produzido pela Warner Bros. O novo live-action baseado no conto clássico de animação da Disney chega aos cinemas dia 21 de Julho aqui no Brasil apresentando ao público a vida do Tarzan depois que ele e Jane se casaram e se afastaram da selva.

Os dois David's sentaram com o site Den of Geek para discutir o filme, por que eles escolheram fazê-lo, qual a opinião deles sobre a história original, e muito mais.

Den of Geek (DoG): Vamos começar com algo óbvio: porque Tarzan?

David Yates (DY): Bem, eu estava lendo dezenas e dezenas de roteiros tentando encontrar alguma coisa para depois de Potter e Animais Fantásticos que parecesse muito divertido, envolvente, e tivesse muitas e muitas cores. Potter foi uma experiência grande, e em termos de narrativa que sempre teve algum detalhe engraçado, ela sempre foi também um pouco dramática, sempre tinha algo que era muito emocional e sempre foi muito bem relacionada com o tema. Esse mundo sempre te levou a quatro ou cinco lugares diferentes e era uma experiência muito agradável.  Eu li todos esses scripts de Hollywood que eles continuavam me enviando, mas nenhum deles era tudo isso. Todos eles eram muito de uma nota só, eram somente uma cor durante todo o tempo, mesmo se eles estavam explodindo cidades ou qualquer outra coisa. Em seguida, esse roteiro apareceu com o nome "Tarzan" na frente, e eu disse: ‘Eu acho que não eu vou ler isso porque eu já sei o que é’. Mais tarde, alguém que tinha lido o roteiro no meu escritório, disse: "Eu realmente acho que você deveria ler isto porque não é o que você pensa." Relutantemente, eu abri a página e então eu não conseguia parar de ler, havia algo sobre esse ser humano que não sabia onde era sua própria casa. Ele não sabia se era na selva ou em sua propriedade rural na Inglaterra, e ele estava preso entre os dois, o que eu achei muito convincente. E havia algo sobre alguns temas do filme, eram bonitos, sobre se reconectar com o meio ambiente, com os animais, entendendo esses animais e entendendo que o ambiente estava sendo ameaçado. Este personagem antigo e icônico teve de alguma forma uma conexão com os valores atuais que são muito relevantes e muito importantes. Mas mais do que tudo, foi divertido, ele estava se movendo, ele era romântico, foi emocionante! Tinha todas as cores como os filmes de Harry Potter tinham para mim. Eu pensei: “É isso! Esta é a primeira vez que eu li o roteiro e que eu realmente quero ir ver o filme”.

David Baron (DB): É também um Tarzan muito diferente de todos os outros filmes que vimos no passado. Para começar, não é a história da criança abandonada na floresta que é levada de volta para a Inglaterra no final, muito pelo contrário, o personagem começa na Inglaterra e volta para a África, que é um ponto muito refrescante na visão do Tarzan.

DoG: Isso é algo que estou muito curioso. Tudo agora é uma história de origem, mesmo as coisas que não são realmente histórias de origem. Havia uma pressão para fazer mais sobre o começo?

DY: Há um pouco de história da origem no filme e não houve pressão do estúdio, mas quando nós mostramos para o público algumas histórias do começo do personagem que estarão no filme, eles adoraram! Quando colocamos um pouco mais, eles gostaram mais, e de novo quando colocamos um pouco mais em adoraram ainda mais! Mas a história de origem não é simples. Há uma história em primeiro plano e a história de como Jane e Tarzan se encontraram, que troca com o tempo presente. É um elemento. É uma história da origem? Na verdade, não.

DB: Não é suficiente para explicar para as pessoas que não conhecem a história do personagem,fornece apenas algo para se pendurar e compreender um pouco.

DY: Dá um contexto e é um pouco divertido.

DoG: Quando ele estava lutando contra o macaco, o que ele estava fazendo realmente?
DB: Você quer dizer fisicamente?
DoG: Era um boneco, ou havia um dublê? Como você fez isso?
DY: Tivemos um dublê que seria o gorila.
DB: Em um grande figurino para a interação física.
DY: Então Alex (Alexander Skarsgard, ator que interpreta o Tarzan) iria lutar com o dublê, mas quando ele (Alex) não podia lutar porque ia dar um soco, ele literalmente estava lutando com ar.
DB: Ou uma bola na extremidade de uma vara. Nós não fizemos qualquer captura de movimento, os macacos se movimentando são completamente gerados por computador.
DoG: O gorila foi bastante assustador.
DB: Essa espécie realmente não existe, então eles foram retirados de algo que era uma mistura de um chimpanzé e um gorila, mas bem maiores. Você não vai encontrar nada tão grande como o irmão do Tarzan na selva.
DY: Você realmente não pode olhar para o que outras pessoas estão fazendo, você apenas se concentra em sua própria história e seu próprio mundo.
DB: Em Planeta dos Macacos, eles são praticamente só os chimpanzés que montam cavalos e ficam em suas patas traseiras.
DY: Você olha criticamente para algum outro trabalho, e você pensa: “Eles fizeram isso muito bem, mas aquilo não foi tão bom”. Você está ciente dessas diferenças e tenta outras coisas e aprende com os erros de outras pessoas. Com isso, vai fazer algo que você acha que é realmente bom, uma coisa única na animação, mas também vai ter o: “Eu não tenho certeza se arrasamos nisso”.
DoG: Há uma cena no trailer que Margot (Margot Robbie que interpreta Jane - instagram) tem que gritar “Oh, como uma donzela". Percebi que Jane é bastante modesta.
DY: Ela é bastante modesta e questionadora. Uma personagem muito viva.
DoG: Onde ela deu um soco no Alex, na cara?
DB: Não, no braço.
DoG: Como ele se relaciona com os filmes anteriores de Tarzan? Que tipo de homem ele é? Nós o conhecemos como sendo jovem e vocês tiveram que definir que tipo de homem que ele está se tornando.
DY: Ele é um homem preso entre dois mundos. Ele tem medo de voltar para onde ele cresceu e esse medo é principalmente porque ele quer proteger Jane. Há um episódio em que ele tem que descobrir como se resolver com um personagem extraordinário chamado Chief Mbonga. Na verdade, Tarzan matou o filho do chefe Mbonga em um ponto no seu passado, assim ele teme voltar para a África. Ele é um ser humano profundamente perturbado que está tentando descobrir tudo e ele tem a expectativa de seu pai e sua família de permanecer na Inglaterra, manter a casa da família e ser um bom cidadão. Mas ele encontra a paz verdadeira e integridade quando volta para a África. 
O personagem tem duas famílias na África. Ele tem o Manjani, os gorilas, que o encontrou como um bebê, e também ele tem a tribo Kuba, que é um grupo muito pacífico agrário que o salvou e trouxe-o para a sua comunidade.
DB: Que é onde ele conheceu Jane.
DY: Os Kuba são ótimos e eles o trazem para a sua grande comunidade, o que é uma celebração da família. A questão sobre o personagem de Christoph Waltz (Chief Mbonga) é que ele não sabe nada sobre a comunidade, ou amor, ou o que é se sentir interligado com algo, ele só quer tomar e construir para as ambições de seu rei.

Para ler mais desta extensa entrevista com David Yates e David Baren e aprender mais sobre a animação do filme, as escolhas e como Jane salva Tarzan, leia aqui e veja o trailer do filme aqui.
2 Responses
  1. Tô super ansiosa por esse filme omg!

    http://www.gotasdecafe.com.br/


  2. Nós também, Cecilia! Depois nos conte o que achou do filme, queremos saber! <3
    Twitter: @patrononet
    Facebook: facebook.com/patrononet