O capítulo que nos faz se apaixonar por... Rony Weasley


Foi um momento glorioso quando Rony volta para reencontrar seus amigos e destruir a Horcrux. Ele também provou que seu alcance emocional era, de fato, muito maior que uma colher de chá.


Com suas vestes de segunda mão e seu triste e velho rato de estimação, Rony nunca seria o garoto mais popular de Hogwarts. Suas fortunas mudaram quando ele fez amizade com Harry Potter e Hermione Granger, embora admita que ele levou algum tempo para se ''aprofundar'' com a última. Enquanto algumas pessoas pensem em sua ingenuidade (com o rato, por exemplo) ou com o fato de ele saber que suas habilidades não eram suficientes para o Clube do Slugue, as intenções de Rony foram sempre puras. Ele valorizou a amizade, não a glória e se tornou o coração de um trio amoroso e solidário.



Mas enquanto Hermione era apelidada de "a bruxa mais inteligente de sua idade" e Harry era "o garoto que sobreviveu", Rony, muitas vezes, caía em sua sombra. Ele tentou não deixar seu melhor amigo para baixo, mas os momentos não foram os mais apropriados. Ele se tornou amargo com Harry quando foi selecionado para o Torneio Tribruxo e foi rude com Hermione no Baile de Inverno. Seu comportamento surgiu de suas inseguranças, o que o impediu de seguir adiante por diversas maneiras. Tome o Quadribol como exemplo. Se não tivesse sido ''enganado'' e não tivesse se sentido confiante, Rony ficaria sob pressão e certamente jogaria mal (apesar de se mostrar um grande goleiro).

Mas chegaria um momento em que Rony enfrentaria seus medos e provaria que realmente era nosso rei.

A Corça Prateada (cap. XIX)


''Então a voz sibilou da Horcrux.
– Vi o seu coração, e ele é meu.'' Harry Potter e as Relíquias da Morte

As lutas de Rony finalmente atingiram o ponto de ruptura enquanto o trio estava em fuga. Era fácil ficar irritado com ele - enquanto todos sofriam a tensão da vida fugitiva, Rony se queixava com mais frequência e mais alto que ninguém. Eventualmente, em um movimento chocante, ele abandonou seus amigos.

Enquanto Rony parecia completamente irracional, não entendíamos o que estava acontecendo em sua cabeça. Envolvido no medalhão, o fragmento da alma de Voldemort estava corroendo sua mente, sussurrando terríveis pensamentos que ele não podia ignorar.

Tanto quanto a Sra. Weasley amava cada um de seus filhos igualmente, ele não podia deixar de se sentir insignificante. Seus irmãos mais velhos eram todos especiais em suas próprias maneiras, o mesmo com Gina sendo a única menina e o bebê da família. Isso levou à suposição trágica de Rony que, como sendo o "menino número seis", ele deveria ter vindo como uma decepção. Com pouco espaço suficiente na Toca para, ele sempre se sentia mal em ser ''espremido''.




Ele também não poderia deixar de notar o jeito que sua mãe tratava Harry:


''– Sua mãe confessou – desdenhou Riddle-Harry, enquanto Riddle-Hermione debochava – que preferia que eu fosse filho dela, que nos trocaria satisfeita...'' Harry Potter e as Relíquias da Morte


Essas inseguranças se intensificaram quando Rony e seus amigos ficaram segurando a Horcrux. Os sentimentos românticos de Rony por Hermione haviam se tornado demasiadamente fortes para que ele mesmo pudesse ignorar, enquanto sua preocupação de que ela preferisse que Harry fosse o ultrapassar. Cada vez que ele via Harry e Hermione juntos, validava seu ciúme, estimulando sua agonia e loucura que tentou manter engarrafadas. Eventualmente essas ansiedades oprimiram Rony e ele ficou convencido de que seus amigos seriam melhores sem ele.

'' – Quem não iria preferir ele, que mulher aceitaria você? Você não é nada, nada, nada perto dele – cantarolava Riddle-Hermione.'' Harry Potter e as Relíquias da Morte


Assim como os Dementadores afetaram Harry mais do que aqueles ao seu redor, o medalhão tinha um poder único sobre Rony. Era apropriado que ele fosse o único a destruí-lo.


'' – Você... é... maluco? Nada além do choque de ouvir aquela voz poderia ter dado a Harry energia para se levantar. Tremendo violentamente, ele se pôs de pé, vacilante. Diante dele, viu Rony, completamente vestido, mas encharcado até os ossos, os cabelos colados no rosto, a espada de Gryffindor em uma das mãos e a Horcrux pendurada na corrente partida na outra.'' Harry Potter e as Relíquias da Morte

O retorno de Rony veio à tona com ele recuperando a espada de Gryffindor e salvando a vida de Harry de uma só vez. Mas o verdadeiro ato de heroísmo veio quando o medalhão foi aberto e ele teve que enfrentar o que estava dentro. Quando se abriu, nós finalmente percebemos as pressões e as ansiedades que Rony estava levando com ele esse tempo todo. Foi um momento mais chocante do que triunfante que compartilhamos com Rony quando quebrou o medalhão e destruiu a Horcrux.

''A espada bateu com estrépito quando Rony a largou no chão. Ele caíra de joelhos, a cabeça nos braços. Seu corpo sacudia, mas não de frio, percebeu Harry.'' Harry Potter e as Relíquias da Morte

Rony poderia ter sido o mais brincalhão do grupo, mas seu comportamento descontraído mascarou alguém que estava constantemente lutando contra inseguranças. Ele fez isso porque valorizou demais seu amigos para sucumbir o ciúme. Enquanto ele era normalmente forte o suficiente para colocar esses pensamentos negativos de lado e continuar com a tarefa na mão, houve momentos em que ele simplesmente não podia ignorar o tormento. Aqueles foram os momentos em que sua coragem foi verdadeiramente testada.



Por que isso importa?


Ficar ao lado da "bruxa mais inteligente de sua idade" e do "menino que sobreviveu" deixaria a maioria das pessoas se sentindo insignificante. Infelizmente para Rony, esta experiência não era nada de novo. Durante anos, ele viu seus irmãos mais velhos se destacarem na escola, se tornando estrelas de Quadribol e viajando pelo mundo em busca de algumas carreiras invejáveis (sério, quem não queria algo como 'dono de dragão' como título de trabalho?). Todas as suas realizações deixaram seu irmãozinho no escuro. Não importa o que Rony conseguiu, outro Weasley já tinha feito isso. Nós vemos isso em seus olhos quando ele olha para o Espelho de Ojesed, finalmente ficando alto e sozinho acima de seus pares e de sua família, ansiando por seu próprio "momento".


Em "A corça prateada" (cap. 19 de Relíquias da Morte), Rony finalmente consegue. Ele percebe que você não precisa ser o Escolhido para ser um herói. Às vezes a coisa mais corajosa que podemos fazer é analisar nossos próprios erros, ir a um amigo e dizer "desculpe". E muitas vezes, as batalhas mais difíceis são as que lutamos dentro de nossas próprias mentes. Por isso, respeitamos Rony mais do que nunca: o menino que sobreviveu tantas inseguranças para se tornar o homem que sabíamos que ele poderia ser.


0 Responses